DJI-Spark-04-720x540

Análise: DJI Spark

Posted by on / 0 Comments

DJI – Comando

Embora não estivesse disponível para analisarmos, o comando não vem incluído no pack base do drone, sendo preciso comprar à parte ou no pack “Fly Combo More”.  O comando oferece um controlo mais preciso e oferece uma extensão do alcance para os 500m, ao contrário dos 100m do Wi-Fi, além de permitir voar mais rápido e em modo sport. O comando apresenta algumas parecenças com o do Mavic Pro, tendo sido apenas retirado o ecrã.

DJI GO 4 – A app para controlar o drone

Na ausência do comando, apenas existem duas maneiras de controlar o drone, pela aplicação mobile DJI GO ou por gestos. Embora existam duas aplicações oficiais, para controlar este drone deve instalar a aplicação “DJI GO 4 — For drones since P4”.

Para controlar o drone é necessário conectar o dispositivo móvel ao hotspot Wi-Fi do Spark, estando a password na caixa do drone ou no compartimento da bateria. Inicie posteriormente a aplicação, que deverá reconhecer o Spark automaticamente, e carregue em “Enter Device”.

De seguida, entrará na aplicação, que apresenta apenas algumas diferenças em relação à do Mavic Pro, embora a base e o funcionamento seja em tudo idêntico.

O controlo do drone tem de ser feito através dos comandos no ecrã, sendo necessário treinar a ganhar prática neste tipo de controlo. Algo que não gostei foi da necessidade de carregar num botão para controlar a câmara, não sendo possível movimentar a câmara e o drone ao mesmo tempo.

Através da aplicação podemos controlar todos os parâmetros associados ao voo e à gravação. É também através das opções de voo inteligente que se podem selecionar os diferentes modos de gravação.

Controlo por gestos

A grande novidade introduzida no DJI Spark foi a possibilidade de controlar o drone por gestos, muito ao estilo de um Jedi no Star Wars.

Para iniciar este modo basta apenas ligar o drone, carregar duas vezes seguidas no botão de ligar e apontar o Spark para a face do piloto. A câmara vai subir e descer, vai reconhecer o piloto e, após um reconhecimento positivo sinalizado com uma luz verde, o drone irá levantar voo. De seguida basta só estender a palma da mão, esperar que o drone reconheça (novamente identificado pelas luzes verdes) e movimentar a mão para os lados para que o drone acompanhe o movimento da mão. Existe ainda a possibilidade de, como um acenar da mão em sinal de despedida, mandar o drone afastar-se para, posteriormente, tirar uma fotografia fazendo um gesto específico para esta ação.

Durante o controlo com gestos, o drone ainda perde muitas vezes a palma da mão, especialmente se o movimento for um pouco mais rápido, assim como é difícil o reconhecimento, por parte do drone, do gesto para se afastar. Já em Paris não tinha conseguido mandar afastar o drone, tal como outras pessoas que estavam presentes, onde até o próprio piloto da DJI que nos acompanhava não o conseguiu. De qualquer maneira é um modo que tem muito potencial e tenho a certeza que, nos próximos tempos, a DJI irá tentar melhorar ao máximo esta função.

Para quem pretende tirar umas selfies ou mesmo mostrar aos amigos esta funcionalidade, é algo muito divertido e que cativou a atenção de várias pessoas enquanto testava, que me pediram também para tentar.

Autonomia

Tendo em conta as reduzidas dimensões deste drone, um dos pontos que foi claramente prejudicado foi a autonomia. Enquanto os modelos maiores rondam os 25 minutos de voo, cada bateria do Spark apenas permite cerca de 15 minutos de voo.  Para compensar este problema, a DJI já envia 2 baterias junto com o drone, perfazendo assim os 30 minutos de voo que se consegue com os outros drones.

A nível de carregamento, nós tivemos a hipótese de utilizar o hub de carga, que permite ter as baterias carregadas em cerca de uma hora.

Câmara

O DJI Spark traz uma câmara de 12 MP 1/2.3″ CMOS, com capacidade de gravação em 1080p/30 fps, que já permite captar umas boas imagens.

Um dos pontos positivos que aponto a esta câmara, é o gimble que o acompanha. Dado que o drone é pequeno e leve, tem alguma resistência a manter-se imóvel no ar quando está algum vento. No entanto, embora o drone se movimentasse bastante, o gimble conseguiu compensar os movimentos, tornando possível captar imagens muito estáveis, tendo em conta as condições adversas.

A nível de qualidade, claro que será inferior aos restantes modelos da marca chinesa, no entanto, não se acanha pelo seu tamanho e oferece uma boa qualidade.

A acompanhar o controlo por gestos, a DJI introduziu também novos modos de voo inteligente (modo rocket, Dronie, Helix e Circle).

Legislação

Dado que o DJI Spark pesa 300 gramas, já não é considerado uma aeronave brinquedo. Tal como todas os drones, o controlo do Spark rege-se por um regulamento que enuncia as regras de voo.

Para evitar problemas e situações desagradáveis para o piloto, recomendamos que siga as leis existentes para este tipo de atividade:

  • Assegurar de que o drone está em perfeitas condições
  • Seguir as instruções de segurança do fabricante
  • Manter o contacto visual com o drone ao longo de todo o voo
  • Voar só com boa visibilidade e boas condições meteorológicas
  • Se avistar uma aeronave tripulada, deve desviar-se e dar-lhe prioridade
  • Respeitar a privacidade de todas as pessoas
  • Manter uma distância segura de pessoas e bens, de forma a evitar danos causados pelo drone. Para aeronaves brinquedo a distância mínima é de 30 metros.
  • Não sobrevoar concentrações de 12 ou mais pessoas
  • Não voar sem autorização da ANAC para drones que pesem mais de 25 kg.
  • Não realizar voos noturnos, além da linha de vista ou acima dos 120 metros sem autorização da ANAC
  • Não sobrevoar áreas restritas, proibidas, perigosas, reservadas ou temporariamente reservadas
  • Não sobrevoar zonas de sinistro onde estejam a decorrer ações de proteção e socorro sem autorização do comandante de operações
  • Não voar acima das alturas definidas nas áreas de proteção operacional dos aeroportos nacionais sem autorização da ANAC
  • Não realizar fotografia ou filmagens aéreas sem contactar previamente a Autoridade Aeronáutica Nacional – Força Aérea
  • As aeronaves brinquedo não podem sobrevoar pessoas ne voar acima de 30 metros de altura